DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS X PRÓ LABORE


 
Apresentaremos através deste material, as principais informações sobre o pró-Labore, as condições de retirada e as diferenças em relação a distribuição de lucros, com o objetivo de distinguir os dois institutos, evitando-se dessa forma consequências danosas decorrentes de fiscalizações tributárias. 

 

  
O que é Pró-Labore? 
Primeiro vamos entender o que é pró-labore. O sócio que trabalha pela empresa (sócio administrador) tem direito a um salário, uma remuneração por este serviço. É através dele que o empresário pode, por exemplo, contribuir para a previdência. 
A lei não determina um valor específico, cabendo aos sócios determinarem o valor do pró-labore, bem como sua redução ou majoração (Art.152 da Lei 6.404/76). A única regra quanto aos valores é que o pró-labore não pode ser inferior ao valor do salário mínimo vigente. 
 
Distribuição de Lucros ou Dividendos 
Depois de você ter pago todas as despesas da sua empresa, impostos, pró-labore, o que sobrar é considerado “lucro” e você pode transferir para sua conta de pessoa física, sem a incidência de impostos - esta é a distribuição dos lucros. Ela é calculada anualmente, no fechamento do balanço e posteriormente distribuída aos sócios, de acordo com a participação deles no capital social ou algum outro acordo entre as partes. 
 
É obrigatória a retirada do Pró-Labore? 
Sim, é obrigatória - o sócio administrador ou cotista, titular de empresa individual ou EIRELI que trabalham na sociedade é classificado como “contribuinte obrigatório” da Previdência Social. (Art.12 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991) e sobre esta remuneração deve ser recolhida a contribuição previdenciária. 
 
Como deve ser realizado o pagamento? 
A forma mais segura de se retirar o pró labore é através de transferência bancária da conta corrente da empresa para a conta corrente do sócio. Não é aconselhado realizar uma única transferência de pró-labore e a distribuição antecipada de lucros - sempre faça duas transferências separadas. 

 
Posso apenas retirar Distribuição de Lucros e não retirar Pró-labore? 
Quando a empresa está no início da vida, a falta de estabilidade financeira muitas vezes gera essa dúvida: E, em resposta simples: não é permitido pela lei realizar apenas a distribuição antecipada de lucros. Em caso de retirada apenas da distribuição dos lucros, todo o valor retirado como lucro será considerado pró-labore, e se calcula o INSS para recolhimento da GPS, nos valores baixo explicados. (Decreto 3.048 de 1999 art.201 e IN 971 nº 13/2009). 
 
Quando retirar Pró-Labore? 
Ele deve ser retirado conforme definição dos sócios e/ou contrato social. 
A legislação não estabelece a periodicidade de retirada, mas não pode existir, nenhum outro paga mento ou benefício deverá ser pago ao sócio ou titular da empresa caso não for retirado o pró-labore em um mês. O pró-labore só deve ser pago a partir do momento em que há faturamento na empresa. Se você abriu a empresa em janeiro, mas só passou a faturar em junho, o pagamento do pró-labore só deve acontecer a partir de junho apenas (COSIT 120 de 17/08/2016). 
 
Impostos sobre o Pró-Labore 
Cadastrando o pró-labore, o contador deve gerar uma guia GPS (Guia de Previdência Social). 
 
Os valores são os seguintes: 
Para empresas no Simples Nacional:

* Custo para a Empresa: Não existe contribuição patronal, ou seja, sem custo para empresa. * Custo para o Sócio: Será retido na fonte ou deduzido do valor bruto 11% de INSS e o IR de acordo com a tabela progressiva da Receita Federal. 
 
OBS: Empresas com atividades enquadradas no Anexo IV do Simples Nacional, estão obrigadas ao recolhimento do INSS patronal (20%) através da GPS em conjunto com a parte descontado (11% no caso de sócios). Este entendimento baseia-se na Lei Complementar n° 147/14 para as empresas enquadradas no anexo IV da LC n° 123/06 que estão obrigadas ao recolhimento da contribuição previdenciária patronal 
previsto no artigo 22 da Lei n° 8.212/91. 

 
- Para empresas do Lucro Presumido:

* Custo para a Empresa: Encargos Sociais de 20% sobre o valor do Pró-Labore. 

* Custo para o Sócio: Será retido na fonte ou deduzido do valor bruto 11% de INSS e o IR de acordo com a tabela progressiva da Receita Federal.

  
OBS: Pró-labores acima de R$ 1.903,98 possuem desconto de IR na fonte, aumentando o custo mensal. Você pode conferir quais são as faixas na Tabela do IR. 


Posso antecipar Lucros ou Dividendos e retirar mensalmente? 
A Distribuição de Lucros deve ser apurada e retirada anualmente; porém, é possível fazer 
a antecipação de lucros ou dividendos mensalmente, trimestralmente, ou conforme definição dos sócios no contrato social. 


Quando o sócio quer antecipar este lucro, deve-se calcular lucro da empresa até o mês que está sendo realizada a antecipação e transferir da conta corrente da empresa para a conta corrente do sócio, proporcional a participação no capital social. 


A distribuição de lucros é isenta de imposto de renda quando for comprovada através da contabilidade regular, ou seja, com toda movimentação financeira contabilizada. (Lei 9.249/95 – Art.10) Reforçando: esse valor você poderá transferir diretamente para a sua conta de Pessoa Física, lembrando apenas que também deve fazer o registro dessa movimentação mensalmente como distribuição/antecipação de lucros. 


Quando você retira dinheiro como distribuição de lucros, não precisa pagar nenhum imposto sobre ele pela empresa - porque, afinal de contas, você já pagou todas as despesas e impostos da empresa, certo? 


Mas para poder fazer a antecipação dos lucros sua empresa deve estar com todos os registros completos, ou seja, com a movimentação financeira, custos e despesas, receitas e qualquer movimentação realizada pela empresa, caso contrário a distribuição do lucro será tributada. Além disso, você necessita ter pago todas as obrigações da sua empresa, inclusive o pró-Labore, e todos os impostos, estar sem nenhum débito tributário. 


Por isso é importante saber que você só pode distribuir lucro após ter feito o cadastro e paga
mento do pró-labore, pois o pagamento da guia GPS é considerada uma obrigação! 
 
Conclusão 
A retirada do pró-labore é obrigatória, mas não tem um valor definido - existindo apenas o piso de um salário mínimo nacional. O sócio-administrador deve retirá-lo independentemente da distribuição dos lucros, que é um valor de retirada relativo ao capital social, enquanto o pró labore é a remuneração pelo trabalho mensal. Manter o controle destas retiradas em dia é muito importante não só para a saúde da sua empresa, mas do seu CPF também! 
 
SIMPLES NACIONAL – CUIDADOS COM A DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS
É expediente comum em Microempresas e Empresas de Pequeno Porte a retirada de lucros por parte dos sócios, pois estas podem ser beneficiadas com a isenção do imposto de renda e não sofrem a incidência de contribuição previdenciária, ao contrário do pró-labore. 
A medida é salutar, porém alguma atenção precisa ser dispensada quanto aos limites de isenção dos lucros distribuídos. Isto é importante para que o contribuinte não seja pego de surpresa em eventual fiscalização. 


Lucros Distribuídos 
A empresa poderá distribuir lucro sem incidência de Imposto de Renda na Fonte, devendo, porém, registrar o pagamento como saída de caixa sob a rubrica de "lucros distribuídos". 
Na declaração de rendimentos da Pessoa Física beneficiária estes lucros também serão considerados isentos. 
 
Pessoas Jurídicas sem Contabilidade 
A isenção fica limitada ao valor resultante da aplicação dos percentuais de que trata o artigo 15 
da Lei 9.249/1995, sobre a receita bruta mensal, no caso de antecipação de fonte, ou da receita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido na forma do Simples Nacional no período, relativo ao IRPJ. 
Os percentuais em referências são aqueles que seriam utilizados para calcular o imposto de renda com base no Lucro Presumido. 
 
Pessoas Jurídicas com Contabilidade 
Conforme disposto no § 2º do artigo 14 da Lei Complementar 123/2006, a mencionada limitação não se aplica na hipótese de a pessoa jurídica manter escrituração contábil e evidenciar lucro superior ao limite. 


Assim, se no mês a empresa tivesse apurado e evidenciado contabilmente um lucro de R$ 
10.000,00 este valor poderia ser distribuído normalmente, sem qualquer incidência de imposto de renda. 


Na prática, no entanto, muitas vezes a distribuição de lucros acaba sendo realizada “no escuro”, 
sem a certeza de que os limites de isenção estão sendo respeitados. Isto, futuramente, pode provocar contratempos fiscais. 


A vantagem de utilizar a contabilidade pode ser grande, porém muitos contratos de prestação de serviços não contemplam a escrituração contábil completa, com a entrega periódica de balancetes e dos demais demonstrativos contábeis usuais. 


É importante que os micro e pequenos empresários conversem com seus contadores sobre a prática que está sendo adotada para a distribuição de lucros. Conforme o caso pode ser interessante, inclusive, realinhar o contrato de prestação de serviços, pois isto poderá resultar em uma economia tributária compensatória. 
 
 

Please reload

Destaques

Mensagem do Presidente

September 17, 2019

1/10
Please reload

Matérias Recentes

September 17, 2019

Please reload

Rua Lafaiete Pimenta, 44 Centro - Nova Iguaçu - RJ - Brasil - CEP: 262216-100
(21) 2768-7918

contato@acimderj.org.br

  • LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle